Será que o ganho de peso e a obesidade influenciam na contaminação e tratamento do Covid-19?

Sim, infelizmente há relação entre estes pontos e o Primeiro-Ministro da Inglaterra sofreu bastante por isso!


O sobrepeso e a obesidade no Brasil e no mundo, nas últimas décadas, atingiu +50% da população e com este crescimento fez desabar com os indicadores positivos de saúde e qualidade de vida das pessoas.


Para nós na Foco Saúde trata-se de muito mais que números e medidas! Representa a falta de saúde, de qualidade de vida e soma-se a isso os muitos riscos já comprovados de desenvolvimento de diversas morbidades associadas como diabetes, hipertensão, dislipidemia e muitas outras.


Hábitos inadequados, comportamentos compulsivos e situações emocionais vem agravando os números de obesidade e sobrepeso nos últimos anos.


E por quê o COVID-19 ataca ainda mais essa população?


Isso na verdade não nos surpreende, dado o impacto da obesidade na função pulmonar! A obesidade está associada à diminuição do volume de reserva expiratório, capacidade funcional e complacência do sistema respiratório. Na obesidade abdominal aumentada, a função pulmonar é ainda mais comprometida, dificultando a ventilação.


Vale lembrar que em relação aos infectados da gripe H1N1, a prevalência de obesidade adulta e obesidade grave em 2017 a 2018 aumentou desde 2009 a 2010 e agora é de 42% e 9%, respectivamente. Essas observações sugerem que a proporção de pacientes com obesidade, obesidade grave e infecções por COVID‐19 aumentará em comparação com a experiência do H1N1, e a doença provavelmente terá um curso mais grave nesses pacientes.


Mas como agir diante deste cenário tão complexo e desafiador?


Segundo o estudo, “Weight Stigma and the “Quarantine-15” – 2020”, “precisamos primeiro, para abafar as mensagens não saudáveis das mídias sociais..., Devemos ter em mente que muitos não têm o privilégio de se concentrar nos objetivos de controle de peso no momento devido ao aumento da demanda de trabalho (especialmente entre trabalhadores essenciais), dificuldades imprevistas e preocupações imediatas com segurança e sobrevivência. Para pacientes com obesidade que estão ativamente em tratamento, podemos ajudar a aumentar sua autoeficácia, estabelecendo metas comportamentais realistas e colaborando em planos concretos e específicos para atingir essas metas.


Quando os pacientes relatam ganho de peso, podemos comunicar a aceitação, sem julgamento, e validar os estressores sem precedentes que todos enfrentamos, ao mesmo tempo em que ajudamos os pacientes a se comprometerem a fazer o possível para manter sua saúde e bem-estar.”.


Este artigo é bastante reflexivo para o ponto que citamos da saúde emocional, e no aspecto da saúde física as orientações da Foco Saúde, formada por especialistas em prescrição e orientação de exercícios físicos, entendemos que temos dois cenários:


1. A população já obesa e com sobrepeso, que precisa ser rapidamente tratada como citado acima e quem tão logo puder, comece a se movimentar com orientação e de forma progressiva para trazer os benefícios dos exercícios físicos.


2. A população que ainda não é e que agora se encontra reclusa e precisa se movimentar para evitar problemas com a obesidade e outras questões, para isso a Foco Saúde e nossos profissionais recomendam exercícios físicos diários de acordo com nível de treinamento e possibilidades das pessoas.


Neste momento devemos nos fortalecer em todos os sentidos e nada melhor que corpo e mente fortes para juntes vencermos e seguirmos firmes. A Obesidade é uma vilã e a soma dela com o Covid-19 requer cuidados, por isso vamos ser conscientes dos riscos e responsáveis para revertemos essa guerra que estamos perdendo no momento e a solução é ajuda de quem pode e deve ajudar e cada um assumir para si o bastão de cuidar da saúde com suas possibilidades e ferramentas.


Juntos venceremos e seguiremos firmes!


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo